18 julho, 2007

O gato

O gato é quase tão grande como a raposa. O gato e a raposa nunca visitam o jardim ao mesmo tempo.

20 comentários:

37º elemento disse...

:)...

Anónimo disse...

Escrever é uma fuga e ,como diria um amigo que já há muito nos deixou, cada um arranja as suas. Mas eu gosto, quando a fugir, construimos, poesia!...

Anónimo disse...

de noite todos os gatos são pardos. não se sabe se combinam passear juntos no jardim à noite.
O que me parece é que tal combinação de não aparecerem juntos no jardim, pode constituir uma partilha alternativa do poder.

Anónimo disse...

pois e'. em suma o que a malta quer e' mais suor e mais energia. Upala!

Sabes que hoje falei com um amigo que trabalha em Londres 70 horas por semana! Sabes o que isso e'? Olha que uma oportunidade nao vem duas vezes. Por isso agarra-te mulher!!!! Agarra-te!

E' o que te digo eu. agora. aqui. neste sitio sem espaco. Um quadrado.

mirko disse...

Pois. Eu sou portugues e tambem vivo em Londres e nao sei porque sempre fui muito terraqueo e concordo. eu tambem trabalho cum catano. Um blog por semana! Por favor!

Isto ou fazes a serio ou entao nao vale a pena!

O natural de Barrô disse...

" Ele tinha mordido um pêssego e estava a cheirar a polpa fibrosa junto do caroço. Creio que sorri, reconhecendo os meus modos afectados. Estes pêssegos eram uma desconcertante delícia, alguns deles, provocando aquele tipo de sensualidade que é tão inesperadamente profunda que parece exigir outro contexto. Não se espera que as coisas vulgares sejam assim agradáveis. Nada no exterior do pêssego nos diz que ele irá ser tão suculento, húmido e aromático, com o sumo a escorrer-nos pelas gengivas, nem tão subtilmente colorido por dentro, de um aveludado dourado com veios cor de rosa. Tentei discutir isto com os rostos do outro lado da mesa.
- Mas eu acho que o prazer não é fácil de repetir - disse Eliades. - Amanhã comemos um pêssego do mesmo cesto e ficamos desapontados. Então perguntamo-nos se não estaríamos enganados. Um pêssego, um cigarro. Aprecio um cigarro em cada mil. Todavia continuo a fumar. Julgo que o prazer está mais no momento do que no acto. Continuo a fumar para encontrar esse momento. Talvez tente até morrer. "

Excerto de " Os Nomes ", Don Delillo, Trd. Maria Manuela Ribeiro, Ed. Relógio D´Água,
publicado também na colecção Mil Folhas do Público.

leon disse...

é daquelas construções bonitas que faz a lógica de uma criança de três anos parecer poesia. e vice-versa.

Anónimo disse...

uau!! que lindo! nunca vi nada igual!

Wiener disse...

pena é que a criança de três anos seja a correspondente do público em londres e ache mais importantes/interessantes estas divagações psicadélicas e de qualiodade duvidosa do que outras que essa cidade terá certamente para contar.

big ben disse...

E eu nunca visito este blog e faço coisas interessantes ao mesmo tempo.

Anónimo disse...

Por favor, com tantas coisas interessantes e importantes a acontecer em Londres nestas últimas semanas, a única coisa a que temos direito são histórias de gatos ?????
A raposa

Indignado disse...

Parece que há aqui uns quantos leitores enganados, não me lembro de ter visto escrito por aqui que este blog tinha pretensões informativas. Se querem saber notícias leiam a página do Público.

wiener disse...

indignado estou eu, que ainda não percebi quewm é o gato e quem é a raposa. será que é tao senhor parecido ao peter o'toole?

Luis Gaspar disse...

e eu ainda quero ser como a raposa. não luto. deixo-me ficar debaixo de terra.

DJ disse...

Gostaria só de saber a razão de ser deste blogue.

Alexandre disse...

muito bem.

Miau disse...

Isso é porque o gato descobriu que a raposa andava metida com um cão vadio... então, acabaram-se os passeios no jardim em que está uma tipa ganzada a escrever. E para quem acha que isto é poesia, talvez esteja na altura de largarem o tio Patinhas e o Donald.

Anónimo disse...

Depois de ler a tua Fábula muito poética,tive curiosidade de ler os comentários,e Susana o que escreves são "Pérolas a Porcos"!
Não desistas.EVA

Anónimo disse...

Gosto muito! Faz-me lembrar a poesia tradicional japonesa...Haiku @(^_^)@

thank you x
Eli

Carlos Ferrão disse...

Para que é que serve este blog?